Mariana Kuroyama desenhando linhas

Mariana e algumas de suas criações. (Mariana Kuroyama)

Já tinham me dito que você quase nem sente a agulha na pele, quando é a Mariana Kuroyama quem está te tatuando. Ela mesma diz que tem a mão leve, mas acho que é mais que isso: a leveza é seu jeito de ser.

Mariana é jornalista por formação, mas largou a vida de leads pra fazer arte. Cria tatuagens, roupas, pinturas, ilustrações e é fascinada pela natureza. Coloca em prática todo dia um pouco do tema da sua monografia, a permacultura.

Por e-mail, conversamos sobre esses temas e sobre a vida nas cidades onde ela mora ou já morou.

Pra começar, a pergunta de praxe: como você começou a tatuar e o que te atraiu nesse tipo de expressão artística?
Mariana Kuroyama: Então, fiz um trabalho sobre a tatuagem, a pichação e o graffite durante o período de faculdade. Ainda não tinha me tatuado, mas achava lindo. Estudei a fundo e quebrei certos paradigmas. Entendi  que a tatuagem não é uma expressão marginal, e sim uma arte, uma representação, um ritual de passagem em sociedades milenares, como a celta ou a japonesa. Isso me atraiu ainda mais. Anos depois fiz a minha primeira tattoo com o Dereka, ele já conhecia meu trabalho através de pinturas em roupas. Alguns amigos já tinham me dito para eu fazer desenhos de tattoos para eles. Uni uma coisa a outra e pedi pr’o Dereka me ensinar. Ele é um verdadeiro mestre, não só na arte da tatuagem, como sobre as coisas espirituais da vida. Ele e também o Júnior Animal.  Eles são geniais. Fiquei dois anos no studio do Dereka, o Freedom of Tattoo, onde conheci outros tatuadores muito bacanas, pessoas do bem que amam arte. A tattoo pra mim é uma forma de arte mais profunda… As pessoas geralmente pensam “ah, mas isso vai ficar pra vida inteira…” Ora, mas e a gente não morre? Morre o corpo… E a alma segue adiante. De qualquer forma, ter ou não uma tattoo é uma escolha muito pessoal que deve ser respeitada.

Você mesma tem algumas tattoos. Qual a história delas?
Mariana: O bracelete vermelho está localizado na articulação da intenção (de acordo com a matemática do calendário da paz) e é composto por corações. Representa minha intenção de amar incondicionalmente a vida, as pessoas, o próprio amor. Foi feita pelo Dereka. Os corações dos pés fazem parte de uma história antiga, já tinha o desenho guardado antes de aprender a tatuar. O passarinho, também no pé, fiz aproveitando uma flor que tinha no tornozelo. Estas duas fiz eu mesma, pra poder sentir como é fazer a tattoo em si mesmo. A da perna é um crop circle, foi feita pelo Tinico (Rosa) e representa minha crença na vida inteligente, no amor e na arte também em outros planetas.

Além de tatuagens, você também faz ilustrações e roupas. De que forma todas essas coisas estão relacionadas na sua vida?
Mariana: Vixe… Um amigo me emprestou um livro uma vez, que falava sobre a arte islâmica. Lá eles detalhavam como os artesãos trabalham com esmero em diferentes superfícies. Da maior mesquita à menor caixinha, tudo é repleto de uma arte meticulosa. Olhei para isso e pensei, “posso desenhar em qualquer superfície.” Na verdade, eu sempre desenhei, ilustrei papéis, provas, cadernos de colégio, etc. As roupas e as tattoos foram consequencia disso. As roupas aconteceram meio sem querer, me inscrevi no Projeto Palco por sugestão de um amigo e ganhei o concurso de novos talentos. Depois começei a pensar em uma moda mais original, atemporal, feita por encomenda e exclusiva. As tattoos, tu já sabes.

Você escolheu estudar, na faculdade, não algo relacionado diretamente à arte, mas a modos de vida: a permacultura. De que forma esse tema está presente na sua rotina?
Mariana: Então… A Permacultura está além de uma filosofia, é uma prática que engloba várias outras como a agrofloresta, reciclagem, compostagem, bioconstrução… Xi, vai longe. É uma quebra de paradigma, da competição para a cooperação (do homem para com o meio). E representa, pra mim, o uso da inteligência humana em busca de uma harmonia ideal. Morando no meio urbano, faço o que posso, em casa tenho uma minhocasa que composta o lixo orgânico produzido, e esse composto vai para as plantas. Planto alguns temperos. Me locomovo de bicicleta e transporte público. Só compro para mim aquilo que estou realmente precisando, não fico consumindo por consumir. E uso o meu trabalho para fazer o link entre pessoas que trabalham com isso. Em São Paulo doei, junto com uma amiga, uma pintura para um centro de permacultura urbana, a Casa Jaya. Acho fundamental atrelar a arte a estas causas. Outras coisas me afligem, coisas que não posso mudar sozinha, como o sistema de saneamento, por exemplo. Até quando vamos jogar dejetos no mar? Precisamos de uma mudança na criação da construção civil. Precisamos de muitas mudanças, já! E precisamos fazer isso juntos.

É possível levar uma vida sustentável, quando se vive em grandes cidades?
Mariana: Olha… Acho que as grandes cidades são como feridas na Terra. E precisam de agentes de cura dentro delas. Acho que é possível fazer por onde, tem que estar alerta, consciente. Estamos todos num mesmo barco, procurando crescer e aprender e muitas pessoas pensam nisso, outras agem, outras nem prestam atenção… Acham que é só marketing. Como eu disse na pergunta anterior, precisamos de muitas mudanças, e precisamos fazer isso juntos.

Por falar em grandes cidades, você já morou em Brasília, Fortaleza e está atualmente em São Paulo. De que maneira cada um desses lugares fez de você quem você é hoje? 
Mariana: Em Brasília eu tinha muito contato com a natureza, muito mesmo, amaaaaava ficar nas cachoeiras, nas florestas que meus pais me levavam, e também em frente ao meu prédio, era uma mini floresta. Isso é a minha lembrança mais nítida de amar a vida. Sempre vinha pra cá de férias, então também sentia a ligação forte com o mar. Morei no Rio também, quando era criança, e lá a natureza também era exuberante. Aqui foi onde passei mais tempo e nossa… aprendi bastante aqui com relação ao que eu quero ou não pra mim. E conheci pessoas maravilhosas que serão sempre minha família, e aprendi muito sobre tolerância, paciência, calma, amor ao próximo. São Paulo é outro ritmo, ainda está em fase de teste, hehehe, mas devo dizer que amo estar lá. Sem muitas explicações, vou vivendo, de acordo com o coração.

Qual delas você considera sua cidade natal?

Mariana: Nenhuma delas e todas, como eu disse pro orkut: minha cidade natal é a Terra.

Você se vê morando em um lugar pra sempre? Por quê?

Mariana: Sim, porque acho que precisamos de uma base, mas posso estar errada. Viajar é preciso, afinal.

Veja aos trabalhos dela no flickr. Mariana também está no twitter: @kuroyamaSun.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s