Das ist Berlin

ou Da cidade e da rotina

Mauer_-_dbora_medeiros
Um lembrete nos arredores do Checkpoint Charlie. (Débora Medeiros)

Descer as escadas de casa de dois em dois degraus, ver o ônibus partindo do outro lado da rua, perceber que o trem faz mais paradas do que a já recalcitrante pontualidade recomendaria, sair quase correndo pela rua de letreiros: tudo para desaguar num salão onde a London Symphony Orchestra afina os instrumentos, preparando-se para tecer um véu de notas musicais e sensações.

Às vezes, a cidade onde moro se reduz aos textos para ler, o ônibus para pegar, a casa para cuidar. Mas, de repente, um dos compromissos anotados na minha agenda se materializa e me traz de volta à (incrível) realidade: estou em Berlim.

Há seis anos, quando percorria os corredores da UFC com aquele misto de curiosidade e orgulho sentido por todo recém-aprovado no vestibular, nem passava pela minha cabeça que estaria vivendo do outro lado do Atlântico pouco mais de um ano depois de formada. Quando estive aqui pela primeira vez, caminhei por ruas que pareciam ter visto cada linha dos meus livros de História: placas demarcando onde o Muro se erguera, museus cheios de relatos de um cotidiano surreal, pessoas que haviam crescido entre as ruínas do Pós-Guerra, prédios residenciais quase em cima do fatídico bunker de Hitler (que hoje não existe mais, foi aniquilado pelos soviéticos pra não virar local de peregrinação pra malucos).

Mesmo assim, Berlim não me pareceu uma cidade parada no tempo. O Tachelles fervilhava com doidões do mundo inteiro, a ex-comunistona Alexanderplatz tinha virado shopping a céu aberto e as pessoas corriam pra vida, cheias de afazeres espalhados entre as conexões de ônibus/trem/metrô.

Hoje sou uma dessas pessoas e me pergunto se elas, como eu, esquecem onde estão, habitando as tarefas diárias ao invés da própria cidade. Berlim, nesse ponto, me parece o oposto de Paris, que é um lugar onde, sob a beleza dos pontos turísticos, se escondem milhares de vidas sacrificadas pelo sonho de simplesmente estar lá: pedintes no metrô; imigrantes tiritando de frio ou torrando ao sol, se fazendo de estátua para ganhar alguns trocados de quem se fotografa ao lado deles; transeuntes que parecem carregar uma couraça sob os casacos bem cortados – algo que conviver com a hostilidade repentina e, ao mesmo tempo, constante faz com a gente. Paris só deve ser suportável para essas pessoas porque elas estão sempre se lembrando do nome do chão onde pisam.

Não, Berlim me parece uma cidade mais possível – menos de fachada. Tem desempregados, especulação imobiliária, criminalidade, orçamento estourado, obras faraônicas. Mas também tem um custo de vida baixo, uma contracultura viva e militante, iniciativas nas quais estranhos se ajudam das mais diversas formas sem pedir nada em troca. As pessoas dão um jeito de não cair no caos, desde os estudantes que fazem bicos como garçom ou professor particular aos mendigos que vendem jornais comunitários no metrô. Todos devem se esquecer às vezes que estão em Berlim.

E, de certa forma, é essa a beleza da cidade: ela vai se infiltrando na vida da gente, por memórias, lugares e pessoas que não estão nos cartões postais.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s